Hepatite C mata mais Americanos do que qualquer outra doença infecciosa

05/06/2016

 Novos estudos CDC sublinham a urgência de testes da hepatite C e tratamento, especialmente para os Baby Boomers - o termo em inglês pode ser traduzido livremente para o português como “explosão de bebês”, fenômeno social ocorrido nos Estados unidos no final da Segunda Guerra, ocasião em que os soldados voltaram para suas casas e conceberam filhos em uma mesma época, aqueles nascidos 1945-1965).

 

Mortes associadas a hepatite C chegou a um recorde histórico de 19.659 em 2014, de acordo com dados de vigilância preliminares divulgados hoje pelo Centers for Disease Control and Prevention (CDC).

 

Um segundo estudo do CDC, publicado online hoje no Clinical Infectious Diseases, mostra que a mortalidade anual relacionada com a hepatite C em 2013 ultrapassou o número total de mortes de outras 60 doenças infecciosas reportados ao CDC, incluindo o HIV, doença pneumocócica, e tuberculose. Além disso, ambos os estudos usam dados de certidões de óbito, que muitas vezes sub-registro da hepatite C, de modo que provavelmente eram ainda mais hepatite mortes relacionadas com o C do que esses números sugerem.

 

O maior fardo da hepatite C cai sobre um grupo que nos Estado Unidos da América são denominados - baby boomers (aqueles nascidos 1945-1965) muitos dos quais vivido  inconscientemente com a infecção por muitos anos. De acordo com um estudo publicado na revista The Lancet Infectious Diseases , no início deste ano, muitos baby boomers foram infectados através de procedimentos médicos nos anos após a Segunda Guerra Mundial, quando as tecnologias de injeção e de transfusão de sangue não eram tão seguros como eles são hoje. Sem diagnóstico e tratamento, cada vez que sofre de cancro do fígado e outras doenças com risco de vida da hepatite relacionada-C, e que podem inadvertidamente transmitir a doença a outros.

 

"Por que tantos americanos morrer desta doença evitável, curável?", Perguntou Jonathan Mermin, MD, diretor do Centro Nacional de HIV / AIDS, Hepatite Viral, DSTs do CDC, e Prevenção de TB. "Assim que o teste da hepatite C eo tratamento são tão rotineiros quanto eles são para níveis elevados de colesterol e câncer de cólon, vamos ver as pessoas que vivem as vidas longas, saudáveis ​​que merecem."

 

Os dados de vigilância preliminares divulgados hoje também apontam para uma nova onda de infecções por hepatite C entre usuários de drogas injetáveis. Os casos agudos de infecção por hepatite C têm mais do que duplicou desde 2010, aumentando para 2.194 casos notificados em 2014. Os novos casos foram predominantemente entre os indivíduos jovens, brancos com um histórico de uso de drogas injetáveis, que vivem em áreas rurais e suburbanas do Centro-Oeste e do Leste Estados Unidos.

 

"Por causa da hepatite C, muitas vezes tem poucos sintomas visíveis, o número de novos casos é provável que muito mais elevado do que o que é relatado. Devido ao rastreio limitado e subnotificação, estimamos o número de novas infecções está mais perto de 30.000 por ano ", disse John W. Ward, MD, diretor da Divisão de Hepatite Viral do CDC. "Devemos agir agora para diagnosticar e tratar infecções escondidas antes que se tornem mortal e para prevenir novas infecções."

 

Dirigindo-se o risco de hepatite viral entre as pessoas que injetam drogas é uma importante prioridade de saúde pública e uma das principais preocupações para CDC. CDC recomenda que os programas de prevenção abrangentes, ser implementadas para evitar a transmissão relacionada com a droga da hepatite C. Estes programas de prevenção devem incluir testes regulares para a hepatite C (bem como a hepatite B e HIV); ligações rápidas a cuidados médicos para aqueles que teste positivo; e acesso ao tratamento abuso de substâncias, material de injeção esterilizado, e outros serviços.

 

Cerca de 3,5 milhões de americanos vivem atualmente com hepatite C e cerca de metade não têm conhecimento da sua infecção. CDC e da Força-Tarefa de Serviços Preventivos dos EUA recomendam o teste one-time da hepatite C para todos os nascidos 1945-1965 e testes regulares para os outros de alto risco. Uma vez diagnosticada, os pacientes podem tirar proveito dos novos tratamentos, altamente eficazes que podem curar a grande maioria das infecções em dois a três meses e tomar outras medidas para proteger a sua saúde.

 

CDC está empenhada em ajudar as comunidades usar todas as ferramentas eficazes para impedir a disseminação da hepatite C e reduzir as mortes associadas à doença. Através de esforços de colaboração, podemos ajudar a reduzir o aumento de novas infecções e tendências da mortalidade relacionada com a hepatite-C reverso, em última análise, garantindo que muito menos pessoas morrem desta doença.

 

Brasil

 

 

No Brasil de acordo com o Ministério da Saúde, os cinco tipos de hepatites virais (A,B,C,D e E) já atingiram, desde 1999, quase 400 mil pessoas no país. Esses são os casos confirmados da doença, com pacientes que apresentaram sintomas. 3 milhões de infectados não sabem  é o grande desafio para os especialistas. E essa situação se refere principalmente à hepatite C. Segundo o Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais do Ministério da Saúde.

 

Diagnóstico precoce

 

O gastroenterologista Hoel Sette Júnior ressalta que testes de diagnóstico estão disponíveis em toda a rede do Sistema Único de Saúde (SUS), como o teste rápido para triagem das hepatites B e C. “O diagnóstico precoce proporciona acesso ao tratamento em tempo adequado, o que previne as complicações da infecção crônica como cirrose, câncer e até o transplante de fígado”, alerta Hoel.

 

Tipos e causas

 

A hepatite A, que tem o maior número de casos, está diretamente relacionada às condições de saneamento básico e higiene.

 

Já a hepatite B, o segundo tipo com maior incidência, atinge maior proporção de transmissão por via sexual. A melhor forma de prevenção para a hepatite B é a vacina, associada ao uso do preservativo.

 

A hepatite C, com 82.041 casos, tem como  principal forma de transmissão o contato com sangue. De acordo com o Ministério da Saúde, de 70% a 80% das infecções se cronificam e podem evoluir para cirrose e de 1% a 5% para câncer do fígado.

 

A hepatite D, com 2.197 casos, tem como principal forma de transmissão a via sexual. O diagnóstico precoce e a vacina para a hepatite B podem evitar a transmissão pelo tipo D. Esse tipo da doença é endêmico na Região Norte.

 

A hepatite E ocorre por meio de água ou alimentos contaminados pelo vírus. É rara no Brasil e tem 967 casos na pesquisa feita pelo Ministério da Saúde. A melhor forma de evitar a doença é pela melhoria do saneamento básico e por medidas educacionais de higiene.

 

Mortes provocadas por hepatites

 

Entre as mortes atribuídas especificamente às hepatites virais no Brasil, o maior número registrado entre os anos de 2000 a 2011 foi decorrente da hepatite C, com 16.896 óbitos. Em seguida, encontra-se a hepatite B, com 5.520 óbitos declarados. Esses números são extraídos do Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM)

Please reload

Featured Posts

A Cidade de São Paulo elimina transmissão do HIV de mãe para filho, diz ministério

November 16, 2019

1/10
Please reload

Recent Posts